ONU lança projeto contra o machismo para o volta às aulas

Crédito: Pixabay

Todos os dias 25 do mês, a ONU tem o Dia Laranja, voltado para alertar a necessidade de falas sobre a violência contra mulheres e meninas. É imperativo que as pessoas saibam como prevenir e eliminar esse mal. O laranja representa um futuro sem essa violência, pois é uma cor “vibrante e positiva”. Agora, no dia 25 de janeiro, o Dia Laranja foi voltado ao volta às aulas.

LEIA TAMBÉM:
AGÊNCIAS DA ONU BRASIL SE REÚNEM PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER
MÔNICA USA VESTIDO LARANJA PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES
CAMPANHA PROPÕE 16 DIAS DE ATIVISMO PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES

A ONU Mulheres usou o dia para relembrar “a importância de promover a prevenção da violência contra mulheres e meninas nas instituições de ensino, como as escolas e universidades, por se tratarem de espaços voltados para a formação integral de meninos e meninas, homens e mulheres, para o exercício da cidadania e a promoção de mudanças sociais”.

A violência escolar e o bullying são realidades que atingem milhões de jovens em todo o mundo. De acordo com a UNESCO, essas formas de violência e abuso que ocorrem nas escolas são impulsionadas por preconceitos, com “dinâmicas de poder desiguais, que muitas vezes são reforçadas por normas e estereótipos de gênero, orientação sexual e demais fatores que contribuem para a marginalização – como pobreza, identidade étnica ou idioma”.

Uma das formas de prevenir a violência contra a mulher nas escolas é garantir uma educação que discuta os papéis de gênero na sociedade e ter profissionais que falem sobre o assunto em classe e ensinem os alunos sobre igualdade de gênero.

Sabendo disso, a ONU Mulheres elaborou um plano de aulas para conscientizar professores e alunos sobre as diferenças de gênero. As aulas abordam os temas: Sexo, gênero e poder; Violências e suas interfaces; Estereótipos de gênero e esportes; Estereótipos de gênero, raça/etnia e mídia; Estereótipos de gênero, carreiras e profissões: diferenças e desigualdades e Vulnerabilidades e Prevenção.